A Ciência já comprovou que a exposição a espaços verdes durante a prática de atividades físicas confere benefícios significativos para a saúde, especialmente no que se refere à função cerebral e à saúde mental.

Pesquisadores da Universidade de Essex, na Inglaterra, fizeram estudos com 1.250 pessoas e concluíram que as aquelas que faziam exercícios ao ar livre apresentavam melhoras no humor e na autoestima.  As atividades eram distintas e incluíam caminhada, ciclismo e remo em parques, jardins, fazendas e reservas naturais.

O mais surpreendente é que, segundo os pesquisadores, apenas 5 minutos se exercitando em áreas verdes já são suficientes para a atividade apresentar os efeitos positivos.

Para te incentivar a pegar o tênis e partir para o parque, trilha ou montanha, listamos outros 6 benefícios da prática de atividades externas:

Créditos: AzmanL/istock

Nosso cérebro interpreta atividades em áreas verdes como mais prazerosas

Efeitos na pressão arterial

Um estudo da Universidade de Coventry, no Reino Unido, separou dois grupos de crianças de 9 10 anos para realizar atividades moderadas com bicicleta por 15 minutos. Durante o exercício, um grupo foi exposto a um vídeo com imagens de floresta, enquanto o outro não recebeu nenhum estímulo visual.

Ao analisar os resultados, os pesquisadores perceberam que a pressão arterial das crianças do primeiro grupo foi significativamente menor do que a do segundo. O que fizeram os estudiosos concluírem que cenas de natureza causam efeitos positivos na saúde durante a prática de exercícios.

Maior prazer 

Um estudo realizado na Universidade de Glasgow, na Escócia, com 2 mil voluntários fisicamente ativos, descobriu que pessoas que fazem exercícios ao ar livre ficam 50% mais felizes do que aquelas que passam horas dentro da academia. O estudo analisou o comportamento de 2 mil pessoas fisicamente ativas.

Os pesquisadores analisaram ambientes naturais e não naturais para atividades que incluíam caminhadas, corrida e ciclismo, e descobriram que estar em torno de árvores e grama reduzia os níveis de estresse cerebral.

Aumento no nível de vitamina D

De acordo com outro estudo realizado também pela Universidade de Glasgow, pessoas que fazem atividades físicas fora da academia sintetizam melhor a vitamina D.  Isso porque a exposição solar corresponde de 80% a 90% o valor dessa vitamina recebido pelo corpo.

Mais motivação

Após estudos, pesquisadores de Exeter, no Reino Unido, concluíram que os adeptos de exercícios externos ficavam mais propensos a repetir a atividade dentro de um período do que aqueles que só frequentavam academia. A explicação é que realizar exercícios ao ar livre estimula mais os sentidos, o que contribui com a motivação para repetir a atividade.

Maior foco e criatividade

Outro estudo, dessa vez feito pela Universidade de Illinois, os EUA, aponta que 20 minutos de caminhada em uma área verde e tranquila é o suficiente para que crianças com déficit de atenção consigam se concentrar melhor.

A conclusão veio depois que pesquisadores separaram as crianças em 3 diferentes grupos: enquanto um grupo realizou a atividade em um parque com muita vegetação, o outro caminhou em uma área residencial com pouco verde e o terceiro realizou o percurso em uma zona comercial, cinza e barulhenta. Como esperado, o passeio no parque foi o que resultou em melhores taxas de concentração nos pacientes.

Recuperação mais rápida

Um estudo feita na Universidade de Pittsburg, nos Estados Unidos, apontou que os pacientes que têm contato frequente com a luz do sol apresentam recuperação mais rápida e menos dor que os pacientes que não vão aos ambientes externos.

5 exercícios físicos para mandar o estresse para longe