Uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde apontou que 70% das pessoas têm o hábito de consultar os rótulos de alimentos no momento da compra, no entanto, mais da metade delas não entende as informações ali contidas.

Estar atento a essas informações nutricionais é uma forma de garantir uma alimentação mais equilibrada, sem excessos e consequentemente mais saudável.

De acordo com a nutricionista e pesquisadora da UFMG, Thaisa Silveira, a porção é um dos itens que mais merecem atenção, pois é a base de todas as outras informações. “É preciso ficar bem atento a essa informação, pois algumas vezes os valores informados na tabela não correspondem a todo o conteúdo presente na embalagem. É comum você ter um produto de 50g, mas a informação da embalagem ser referente a 30g”, explica a nutricionista.

Para ajudar o consumidor a interpretar todas essas referências presentes nas embalagens, a Anvisa tem uma cartilha em que explica todos os termos presentes nos rótulos.

Se você sempre se perguntou o que quer dizer todas aquelas letras, números e porcentagem, explicamos item por item abaixo para não restar mais dúvidas.

%VD (Percentual de Valores Diários): a sigla significa Valor Diário e indica em percentual o quanto o produto apresenta de energia e nutrientes em relação a uma dieta de 2000 calorias. Se na embalagem de qualquer produto, constar o valor 90% do VD de sódio, por exemplo, significa que só esse produto já alcança quase o limite total de consumo diário de sódio.

Medida caseira: indica a medida normalmente utilizada pelo consumidor para medir alimentos. Por exemplo: fatias, unidades, pote, xícaras, copos, colheres de sopa.

Porção: é a quantidade média do alimento que deve ser usualmente consumida por pessoas sadias a cada vez que o alimento é consumido, promovendo a alimentação saudável.

Valor energético: é a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem nutricional o valor energético é expresso em forma de quilocalorias (kcal) e quilojoules (kJ).

Carboidratos: esses componentes tem como principal função fornecer energia ao nosso corpo. Está presente no açúcar e doces em geral, farinhas, arroz, massas, tubérculos, etc.

Proteínas: estão presentes nas leguminosas (feijões e outros grãos), ovos, carnes, leite e derivados, e são necessárias para a construção e manutenção das células e órgãos.

Gorduras totais: o valor mostrado neste item refere-se a todas as gorduras presentes no alimento, de origem animal e vegetal. Elas ajudam o corpo a absorver as vitaminas A, D, E e K.

Gorduras saturadas: essa gordura é proveniente essencialmente de alimentos de origem animal, como as carnes, leites, requeijão, iogurte e manteiga. O excesso de ingestão dessa gordura pode aumentar os riscos de doenças do coração. Alto %VD significa que o alimento apresenta grande quantidade de gordura saturada em relação à necessidade diária de uma dieta de 2000 Kcal.

Gorduras trans: é um tipo de gordura muito encontrada nos alimentos industrializados, como os biscoitos, salgadinhos, margarinas, sorvete e outros produtos que usam gordura hidrogenada na preparação. O excesso dessa gordura também pode aumentar o risco de doenças do coração.

Fibra alimentar: está presente em diversos tipos de alimentos de origem vegetal, como frutas, verduras e alimentos integrais. A ingestão de fibras auxilia no funcionamento do intestino e auxilia no controle da absorção de colesterol e açúcar. A recomendação é consumir alimentos com alto %VD de fibras alimentares.

Sódio: A principal fonte conhecida desse elemento é o sal de cozinha, também podendo ser encontrado nos alimentos industrializados, como salgadinhos, molhos prontos, embutidos, etc. O consumo em excesso pode causar um aumento da pressão arterial, por isso é importante avaliar o %VD de sódio que consta nas embalagens e evitar os alimentos que possuem um alto valor.